Como lidar com a ansiedade e ser um ótimo líder!

por Thainá Gastaldi

Ser produtivo enquanto se lida com ansiedade é um desafio! Principalmente quando você é responsável por liderar um time.

 

Assim como qualquer colaborador, os gestores também precisam lidar diariamente com a ansiedade que surge devido a muitos motivos.

 

No entanto, a pressão de liderar bem uma equipe, de enfrentar as dificuldades e lidar com conflitos, são fatores que podem gerar uma preocupação em excesso.

A consequência disso tudo? O estresse.

 

O estresse é o grande vilão da criatividade, responsável pelos famosos “bloqueios criativos”! 

 

Além disso, o estresse pode se tornar contagioso e, por conta disso, é essencial evitar que o estresse da liderança tenha um efeito cascata para a equipe. 

4 dicas para lidar com a ansiedade de liderar 

Lembre-se que um bom líder precisa driblar a liderança com ansiedade, superando essa situação sem deixar que esse problema reflita no trabalho não só do gestor, mas também, de toda equipe. 

 

É aqui que está o maior desafio.

 

Para se esquivar da liderança com ansiedade, é preciso primeiro cuidar de si mesmo. É muito comum que, durante um momento de inquietude, os profissionais se esqueçam de dar atenção à própria saúde e ao seu bem-estar.

 

Os líderes têm um papel duplo neste momento: além de cuidar de si, estão dando o exemplo para a equipe de que, mesmo que o trabalho seja importante, é preciso saber a hora de desacelerar. 

 

Confira nossas 4 dicas:

  • Aprenda a gerenciar sua energia

 

Observe os níveis das suas baterias. Elas se dividem em 4: física, mental, emocional e espiritual.  

 

As quatro são interligadas e é normal que uma acabe mais rápido e outra carregue mais rápido. A ideia não é estar 100% descarregado ou o contrário, mas encontrar uma zona de flutuação.

 

 Para isso, comece a procurar e entender os primeiros sinais de que há uma baixa ou uma sobrecarga nelas.

  • Mini-hábitos

Introduza pequenos que fazem diferença na sua prevenção ao estresse. pode ser qualquer ação, mesmo que pequena, que é significativa (algo que você quer melhorar) e que consegue ser feita mesmo quando se está cansado.

  • Conselhos externos

 É importante ter uma rede de apoio e confiança, por isso, ter um tempo com bons amigos é essencial. 

  • Nova perspectiva

 Olhe sob outra perspectiva! Nem tudo é preto e branco, existem muitas cores em um mesmo ambiente, às vezes precisamos nos afastar um pouco para observar melhor.

 

Não negue sua ansiedade

Admitir suas vulnerabilidades, não te torna uma pessoa fraca, muito pelo contrário! É preciso coragem para encarar hábitos ruins, sentimentos tristes ou ansiosos

 

E também é necessário muita determinação para lidar com a ansiedade e encarar os desafios que a acompanham.

 

Portanto, não tenha medo de admitir não estar bem! É natural, ninguém consegue estar bem 100% dos dias e tá tudo bem.

 

Quando aceitamos esse sentimento e entendemos que ele é real e está presente na sua rotina, é mais fácil criar estratégias para resolver o problema.

 

Dito isso, é hora de os líderes olharem para si e identificarem todos os incômodos e desafios que estão sentindo durante esse processo.

 

E diga-se de passagem, estarmos vivendo durante uma pandemia causada pela covid-19 não facilita muito, né?

 

Por exemplo, não é raro encontrarmos uma equipe aflita pelas incertezas e um líder que também está ansioso, tudo isso faz parte.

 

No entanto, é importante reconhecer isso e então fazer uma pausa, ter uma conversa sincera e transparente com o seu time.

 

Assim, você dá o exemplo (de um bom líder) que sabe aceitar suas fraquezas, mas não deixá-las vencer e demonstra que nada está perdido e tudo tem solução!

 

O foco da saúde mental nas empresas

Cada vez mais profissionais estão falando sobre saúde mental no local de trabalho.

 

Segundo a International Isma-BR (Associação do Gerenciamento do Estresse), 32% dos trabalhadores brasileiros lidam com a síndrome do esgotamento profissional, mais conhecida como Burnout.

 

Também conhecida como síndrome do esgotamento profissional, o problema afeta mais de 33 milhões de brasileiros!

 

Em uma matéria da EXAME consta que:

 

O termo, criado pelo psicanalista alemão Herbert Freudenberger, existe desde 1974, ele o define como “um estado de esgotamento físico e mental com origem intimamente ligada à vida profissional”

 

Freudenberger identificou o problema por meio de sua própria experiência, quando adoeceu por ter trabalhado mais de 14 horas por dia – sem descanso. 

 

Já a OMS afirma que o estresse causado por âmbito profissional ou acadêmico não deve ser confundido com o estresse gerado por situações pessoais. 

 

Em entrevista a EXAME, o psicólogo comportamental Vitor Friary, diretor do Centro de Mindfulness, no Rio de Janeiro, disse que os sintomas da síndrome de burnout podem ser mais severos do que os originados do estresse comum, visto que as dores físicas são mais intensas e a pessoa passa a agir de forma automática e sem emoção, podendo vivenciar a despersonalização – processo psíquico que faz com que o indivíduo se sinta fora de si mesmo.

 

 

Podemos afirmar o quanto a ansiedade -quando ignorada- pode ser prejudicial, não apenas para si mesmo, mas para toda a equipe!

 

Contra fatos, não há argumentos

Um estudo realizado pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje) mostrou que 52% dos trabalhadores brasileiros sofrem de ansiedade enquanto estão no trabalho

 

E 47% dos colaboradores dizem se sentirem cansados com frequência, deste número, 22% alegaram que o desânimo e a frustração contribuem para o desgaste.

 

A pesquisa também indica que 89% consideram a falta de empatia dentro das empresas um problema que merece mais atenção.

 

Cada vez mais profissionais da área de saúde alertam sobre a saúde mental no meio de trabalho.

Fique atento aos sinais de estresse em excesso

A boa notícia é que essa síndrome tem tratamento,  portanto, fique atento aos sinais.

 

  1. Compulsão em demonstrar seu próprio valor

 É aquela necessidade de mostrar que você sabe fazer o que está fazendo, e com excelência;

  1. Incapacidade de se desligar do trabalho

Checar e-mails e mensagens antes de dormir, trabalhar finais de semana (sem que seja pedido pela direção);

  1. Negação das próprias necessidades

 Não dormir, não ter uma alimentação adequada, não separar um tempo para o próprio prazer-e essa atitude é vista como um sacrifício em nome de um bem maior;

  1. Fuga de conflitos

A pessoa percebe que há algo errado, mas evita enfrentar a situação. Os primeiros sintomas físicos podem surgir a partir daí. 

 

Se você se identificou com todos esses sinais, é válido buscar ajuda, conte com profissionais, pois, tudo tem solução!

 

É hora de liderar com leveza!

Para melhorar o estresse no ambiente de trabalho, também é necessário um ambiente agradável, que pode ajudar a melhorar a sensação de ansiedade diante das tarefas a serem realizadas no dia a dia.

 

Por exemplo, ter um espaço dentro do ambiente profissional em que os colaboradores possam relaxar no horário de almoço, como sala de jogos, sala de cochilo, essas pequenas coisas permitem que o cérebro relaxe um pouco.

 

Assim torna-se mais fácil ter mais calma para lidar com as adversidades do dia a dia!

 

Você já viveu uma situação assim no trabalho? Nos conte!

Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado.